Ngaire Woods e Caetano Penna apresentaram ao público da Semana de Inovação 2020 as melhores soluções para combate a pandemia e avaliaram o papel do Estado para desafios dos próximos anos

 

Até o ano passado, países como Estados Unidos e Inglaterra estavam no topo do ranking daqueles considerados mais preparados para uma eventual crise pandêmica. O que se viu na prática, no entanto, foi uma situação muito diferente. Por que nações tão bem conceituadas no mundo falharam em termos de tecnológicos, econômicos e sociais? 

A resposta à questão foi um dos pontos centrais do debate, na manhã de hoje, da Semana de Inovação 2020, com o título “(Re)Imaginando o Governo para os Desafios do Mundo Contemporâneo”. Participaram os economistas Paul Collier, David D. Friedman, Ngaire Woods e Caetano Penna.

Fundadora da escola de governo Blavatnik e professora da Universidade de Oxford, Woods acompanhou uma pesquisa com 180 países e descobriu que as falhas na pandemia ocorreram nos governos que seguiram os exemplos de norte-americanos e ingleses. Quais foram os bem sucedidos até agora? Segunda ela, foram Vietnã, Quênia, Senegal, Nova Zelândia, Japão e Austrália. Em comum, o setor público desses países adotou medidas de coordenação com todas as suas áreas. 

“Os países com melhores respostas à Covid tiveram humildade na liderança. Admitiram que não teriam capacidade para atender as pessoas infectadas e começaram a tomar medidas”, observou Woods, acrescentando que a rapidez das ações foi fundamental para controlar e reduzir a disseminação do vírus.  

Ngaire Woods identifica três lições deixadas pela Covid para os governos. O primeiro ponto é a necessidade de antecipar-se rapidamente aos problemas, prospectar dados digitais e ouvir a população. O segundo item está na colaboração efetiva entre governos nacionais e locais, fazendo parcerias. Por último, as universidades devem ser mais ousadas e trabalhar com modelos de aprendizagem mais ágeis. Também fundamental é a cooperação entre países, dividindo as melhores experiências.   

Volta do governo

O debate de hoje deixou claro a importância do setor público para os desafios dos próximos anos – com exceção das críticas de Friedman. “Governo está na moda de novo, e a ideia de Estado voltou para ficar”, disse Caetano Penna, pesquisador da Universidade de Utrecht, na Holanda. Segundo ele, os governos são hoje peças centrais em iniciativas como o combate à Covid-19, a formulação de políticas sustentáveis (green new deal), o desenvolvimento de vacinas e as medidas para enfrentar as mudanças climáticas. 

“As falhas no combate à Covid se devem aos problemas de coordenação do Estado, mesmo naqueles países com grande capacidade tecnológica para dar uma resposta” afirmou o economista. “Devemos deixar de lado a retórica de que o Estado é ineficiente. É preciso manter o Estado transformador. E o que se deve fazer é ter mais sinergia dos setores público e privado.”

Palavras-chave:

Conteúdo relacionado

Evento na próxima segunda-feira (12) fortalece a temática de inovação

Realizado na Enap, o “GNova Celebra” reúne ecossistemas de inovação no setor público e promove iniciativas inovadoras

Publicado em:
07/12/2022
Economia circular pode reduzir em até 40% as emissões de baixo carbono até 2050

Palestra sobre o tema abordou como soluções circulares são necessárias para lidar com emissões geradas pela indústria

Publicado em:
11/08/2022
Enap apresenta agenda de futuros para o Brasil

Documento foi apresentado no encerramento da Semana de Inovação e traz propostas de ações nas áreas de sustentabilidade, infraestrutura e progresso econômico

Publicado em:
10/08/2022
Oficinas de programação web movimentam Semana de Inovação

Cursos encorajam gestores a entender mais sobre tecnologia para aperfeiçoar contratação de serviços 

Publicado em:
10/08/2022