Membros do GT também apresentaram à ministra Esther Dweck a proposta do Plano Federal de Enfrentamento ao Assédio e à Discriminação

O Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) para o Enfrentamento ao Assédio e à Discriminação na Administração Pública Federal entregou à ministra de Gestão e Inovações em Serviços Públicos (MGI) Esther Dweck, na manhã da quarta-feira (7/2), o relatório final das atividades realizadas e a proposta do Plano Federal de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio e à Discriminação na Administração Púbica Federal. A Escola Nacional de Administração Pública (Enap) sediou as oficinas presenciais e colaborou no desenho metodológico de construção do relatório.

A proposta segue agora para análise e avaliação da ministra e das áreas técnicas do MGI, órgão que foi coordenador do GTI, com nove ministérios participantes.

As diretrizes do plano envolvem o estabelecimento de uma rede federal de prevenção, de canais de acolhimento, de denúncia, fortalecimento das ouvidorias e uma rede de governança, formada por um Comitê Gestor, comitês estaduais de acompanhamento e por órgãos e entidades da administração pública federal.

Para a ministra Esther Dweck, “esse é um tema delicado, mas essencial de ser debatido. A pessoa que já passou ou conhece quem passou por uma experiência de assédio e discriminação precisa ter um espaço de fala para ser ouvida e acolhida”, frisou.

O fortalecimento das ouvidorias e a criação de canais de acolhimento também foram destacados pela ministra Esther como iniciativas essenciais para a efetivação do Plano, pontuando que “esse trabalho não pode ser apenas para quem sofre assédio, mas também precisa envolver as pessoas que praticam o assédio, muitas vezes sem consciência. O trabalho aqui precisa ser sobretudo de prevenção. De combate e punição, quando for o caso, mas parte fundamental corresponde há um processo de conscientização e formação”, reforçou.

O secretário de Relações de Trabalho do MGI, José Lopes Feijóo, destacou o esforço do governo federal em aprimorar as relações de trabalho e afirmou: “o governo, de forma democrática, busca estabelecer e propiciar canais de diálogo, de atendimento, de enfrentamento à discriminação e de garantia de negociação, depois de sete anos de ações que tiveram como foco a desestruturação do Estado”.

Seguindo a metodologia da escuta, a ministra Esther Dweck pontuou ainda a necessidade de a proposta do Plano de Enfrentamento ao Assédio e Discriminação ser apresentado a servidoras e servidores. Segundo Dweck, a Mesa Nacional de Negociação Permanente é um local interessante para que seja apresentado a servidoras e servidores o que foi debatido no GTI e a proposta do plano”.

Para o facilitador da Enap que participou do GTI, Adriano Caetano, a participação da Escola nesse trabalho foi muito importante  porque gerou reflexões que impactam na busca pela adoção de tolerância zero a práticas de assédio e discriminação. “Vislumbro um papel mais do que importante - transformador - para Enap na promoção de um ambiente de trabalho mais inclusivo e respeitoso no serviço público”, concluiu.

O Grupo

O GTI foi instituído por meio do Decreto nº 11.534/2023, com a finalidade de desenvolver orientações e diretrizes de saúde física e mental, prevenção do assédio e da discriminação e a promoção de relações saudáveis e respeitosas no ambiente público, sejam presenciais ou remotas.

As atividades do grupo envolveram um processo de debates e de trocas de experiências, com etapas diversificadas e contribuições de diferentes grupos, entidades e atores. Esse processo foi dividido em várias fases, incluindo a realização de reuniões de trabalho, oficinas do Grupo de Trabalho Interministerial (GTI), encontros dos subgrupos, ciclos de painéis com especialistas e gestores, além de diversas reuniões internas com parceiros, incluindo instituições como o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). A Enap participou da ação no apoio da construção do macro roteiro e na facilitação das primeiras oficinas de constituição do GTI e de diálogos com especialistas.

Além do MGI, compõem o grupo a Advocacia-Geral da União (AGU), a Controladoria-Geral da União (CGU), os ministérios da Saúde, das Mulheres, do Trabalho e Emprego, da Educação, da Igualdade Racial, Direitos Humanos e Cidadania, da Justiça e Segurança Pública.

Com informações do MGI

Leia também:

Enap e ministérios lutam contra assédio moral e sexual na administração pública

Conteúdo relacionado

Enap apoia construção de plano de trabalho da Política Nacional de Cultura Exportadora, no Pará

Oficinas auxiliam planejamento de ações para alavancar exportações paraenses, considerando futuros desejáveis, problemas e potencialidades do estado

Publicado em:
01/02/2024
Enap avalia processos de construção de propostas do Plano Plurianual 2024-2027

Escola, em parceria com o MPO, promoveu entre março e junho de 2023 oficinas com ministérios para proposição do PPA

Publicado em:
18/01/2024
Ano de 2023 marca a história da Enap

Em um ano de reconstrução, a Escola teve recorde de inscrições nos cursos à distância, capacitações inéditas para pessoas negras, auditório novo e muito mais! Confira!  

Publicado em:
15/01/2024
Enap apoia MDIC na implementação da Política Nacional de Cultura Exportadora

Proposta é construir planos de trabalho para alavancar as exportações regionalmente

Publicado em:
29/11/2023