Cobertura vacinal é tema de oficina na Enap

Objetivo é identificar as causas da diminuição na vacinação, especialmente de bebês.  

De acordo com um balanço feito pelo Programa Nacional de Imunizações, principal estratégia de prevenção na saúde do país, nos últimos três anos, das oito principais vacinas indicadas a bebês, apenas uma atingiu em 2018 a meta recomendada pelo Ministério da Saúde (MS) para manter a proteção contra doenças.

Mas o que leva a essa dificuldade em atingir as metas de cobertura vacinal? Quais são as inovações possíveis nessa área? As perguntas, repetidas no último triênio, foram tema, no último dia 04 de junho, de uma oficina realizada pelo Gnova – Laboratório de Inovação da Enap – com gestores da Secretaria de Vigilância em Saúde do MS.

A atividade inicial teve o intuito de definir o problema a ser trabalhado na parceria entre o Ministério da Saúde e a Enap de validar as hipóteses iniciais a serem testadas. Na ocasião, foi feito um mapeamento inicial das certezas, suposições e dúvidas sobre o que será enfrentado, partindo da identificação do histórico do problema e suas dimensões atuais.

A partir do projeto, será possível aumentar a compreensão dos motivos das baixas coberturas vacinais e desenhar novas estratégias de ações para evitar um grave problema de saúde pública para o país.

O projeto Inovação na Cobertura Vacinal compreenderá as etapas de imersão, pesquisas em campo, oficinas de ideação e prototipagem, e finalizando após a proposição de soluções a serem testadas em eventual nova etapa para expandir a taxa de cobertura vacinal no país.